Domingo o Ato foi ‘silencioso’ porque o descaso é gritante!


Campanha em Defesa dos Trabalhadores(as) Essenciais.

Reportagem completa por: Alaor Vieira para ASCOM/FACESP – 12/04/2020 | 19:00

A saga do grandioso Ato solidário e plural: Em Defesa da Vida, da Saúde dos Povos, dos Trabalhadores(as) da Saúde, da Força Pública e da Logística em Saúde que não termina no mítico velório simbólico vazio e silencioso num dos pontos mais movimentados de São Paulo, das vítimas inocentes do COVID-19 que nos leva a profundas reflexões.

Durante a realização do VII ATO de Plenárias Livres de Delegados(as), Conselheiros(as) e Ativistas em Defesa do Sistema Único de Saúde – Caravana em Defesa do SUS na Faculdade de Mauá – FAMA em 12 de março no município de Mauá, SP, os participantes foram surpreendidos com a declaração de Pandemia por coronavírus; apontando o possível aumento rápido de casos no Brasil; notícia dada pela Organização Mundial de Saúde – OMS.

Palestrantes, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP), e outras figuras de relevância pública, voltados para o evento, tiveram que modificar agendas, para atender à reuniões emergenciais que passaram a acontecer em todo país.

Dadas as informações, membros da Comissão Organizativa dialogaram com o Prof. Dr. Jefferson Caproni, dirigente do COREN-SP atuante em um dos eixos temáticos; abordaram questões da realidade das equipes de enfermagem no Estado de São Paulo e no país diante da falta de equipamentos de proteção individual – EPI’s (NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde), e cobraram ações efetivas.

Caproni articulou nacionalmente com o Movimento Ativista da Enfermagem – MAE, resultando na ação “SOS EPIs Contra Corona”. Com apoio de entidades classistas de trabalhadores da enfermagem, assim como também de entidades de outras atividades profissionais: assistentes sociais, psicólogos, médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, motoristas de ambulâncias; apoiados e acompanhados por dirigentes das entidades representativas e pela Direção de Saneamento e Meio Ambiente da Federação das Associações Comunitárias de Entidades do Estado de São Paulo – FACESP.

SOS EPI’s Contra Corona

‘Salve uma vida Denuncie compartilhe’

Com jargão provocativo, passamos a promover busca ativa em ações de fiscalizações in loco, nas regiões do país, com atuação maior nas regiões adstritas de saúde no Estado de São Paulo; em unidades públicas e privadas de atenção à saúde, mediante denúncias. O Conselho Federal de Enfermagem – COFEN criou um canal próprio para catalogar as demandas e, os Conselhos Regionais de Enfermagem intensificaram as autuações. Entidades sindicais somaram-se nas atividades de blitz fiscalizatória e judicializações de ocorrências. Os resultados destes trabalhos, compõem um Dossiê sobre a Segurança do Trabalho na Área de Atenção à Saúde.

Esta iniciativa primária culminou em judicializações na esfera Estadual e Federal. Percebemos a proposta do Sistema Brasileiro de Televisão – SBT de ser elaborado um documentário com o nome “O Inimigo Invisível” em 3 partes, que aborda informações sobre o coronavírus (Covid-19).

SBT / CONEXÃO REPÓRTER: O INIMIGO INVISÍVEL – (PRIMEIRO ATO)

O telespectador pode acompanhar as reportagens especiais. O apresentador Roberto Cabrini foi aos hospitais paulistas e registrou a guerra à pandemia, além de trazer uma reveladora reportagem sobre a situação das favelas, frente ao problema.

O jornalístico exibe matérias que revelam o dia dos brasileiros na Itália e na China. Cabrini conversa com o governador de São Paulo João Dória e com o Médico infectologista Dr. David Uip o maior epidemiologista brasileiro na linha de frente no combate no estado brasileiro mais afetado.

SBT / CONEXÃO REPÓRTER: O INIMIGO INVISÍVEL (SEGUNDO ATO)

Na segunda semana, Cabrini tem acesso aos bastidores de um dos principais hospitais públicos de São Paulo e revela a verdadeira situação para pacientes e funcionários da saúde. O programa exibe relatos dramáticos e imagens da rotina atual de uma UTI superlotada à beira de seu limite, mostrando também uma realidade de desespero: pacientes com suspeita de Covid-19 em leitos a poucos centímetros de outros comprovadamente contaminados, além de doentes graves à espera de atendimento intensivo.

Mostrando que não existem condições ideais para todos, o jornalístico retrata profissionais da saúde estressados e extenuados, que pensam em desistir por não terem condições de trabalho. Faltam máscaras e vestimentas adequadas e investiga registros de mortes, dezenas de afastamentos e internações de enfermeiros e auxiliares em estado grave pela rotina de exposição ao vírus. Ao jornalista, profissionais detalham o que estão vivendo e pedem socorro pois sabem que a pandemia está apenas começando. Uma situação, muitas vezes ocultada, agora revelada.

SBT / CONEXÃO REPÓRTER: O INIMIGO INVISÍVEL – (TERCEIRO ATO)

Cabrini traz novas revelações, a partir de registros feitos no Hospital Municipal do Tatuapé, um dos maiores de São Paulo, a cidade brasileira mais atingida pelo Covid-19.

O programa investiga as mortes de duas pessoas dentro do próprio hospital, Nelson Chagas e Hildalgo Moura, que foram mostrados no programa anterior. Apresenta o drama de suas famílias, suas queixas e dúvidas, questionando o que essas mortes revelam sobre a realidade dentro das unidades de saúde neste momento.

Em um acesso não agendado ao hospital, o jornalista revela o que de fato acontece, mostrando indícios de manipulação de informações, médicos e enfermeiros sem equipamentos de segurança confiáveis, situações que expõem pacientes não contaminados ao novo vírus, e doentes com suspeita de coronavírus agonizando sem serem entubados.

Desdobramentos estruturais e planejamento das ações futuras

Foram planejadas ações envolvendo a sociedade brasileira em prol das comunidades, com foco territorial adstrito em saúde, observadas as características destas regiões. Com o apoio da Pastoral de Políticas Públicas e Sociais da Diocese de Jundiaí foi elaborado um projeto de produção de máscaras de proteção facial (PFF2) e cirúrgicas de forma sócio-comunitária; tal propositura conta com o amparo técnico do Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo (COREN-SP) observadas as Normas Técnicas (Nbr ABNT) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, consideradas também as normas técnicas relacionadas a crise provocada com a epidemia. O trabalho prevê a integração com a Organização das Nações Unidas (ONU Brasil).

Dialogam com instituições educacionais e de pesquisas; frutos de algumas destas provocações, estão dispostas enquanto novas tecnologias em atenção à saúde, criadas com baixo custo. Também resultou na conversão de algumas indústrias no Estado de São Paulo para a produção de ventiladores pulmonares mecânicos, e uma manutenção solidária através de uma montadora na região do Grande ABC e no “Desafio Instituto Mauá de Tecnologia – COVID 19”.

Receberam apoio da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores – ABRAVA (Sindicato dos caminhoneiros, motoboy’s e motoristas autônomos do Brasil). Na elaboração de todo o fullfilment (logística) relacionados à arrecadação de insumos e dispensação dos produtos acabados, para as redes de atenção à saúde e às comunidades envoltas no projeto.

Ofertamos a propositura da elaboração de um “Memorial COVID-19”. Algo de forma integrada a Organização Mundial de Saúde – OMS, que deveria elaborar uma “knowledge systems” (Database internacional de conhecimentos), com as informações das pessoas que enfrentaram ao COVID-19 e por infelicidade, vieram a óbito dos males do coronavírus (Sars-CoV-2). Com estas informações, há a pretensão da elaboração de um projeto de engenharia / artes plásticas e comunicação visual, à ser disposto no Memorial da América Latina no bairro da Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo capital, o epicentro com o maior indicador de contágios do Brasil.

Controle Social – Conselho Estadual de Saúde de São Paulo – CES SP

Em 23 de março, foram contatados pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, para elaboração da reunião mensal da Comissão de Políticas de Saúde e Acompanhamento dos Instrumentos de Planejamento do SUS. Foram elaboradas as pautas com as demandas em curso; o COREN SP enviou documentos para fundamentação técnica aos encaminhamentos e oportunamente disponibilizou dois Conselheiros para se integrarem nestas discussões. Acrescentadas também denúncias apresentadas no Dossiê e convocados atores possivelmente relacionados pendências para que vir a sanear as questões.

Foram surpreendidos em 27 de março com a informação de que não poderiam realizar a reunião para a organização das Políticas de Saúde no Estado de São Paulo. Tal informação trouxe profunda consternação! Principalmente em face da realidade pública e notória da situação das Ações e Serviços de Saúde paulista, os números de casos não reduziram, mesmo adotando a estratégia de isolamento social versus a não apreciação integral das recomendações da Organização Mundial de Saúde – OMS no tocante à se realizarem os testes em massa na população. Entre outras tomadas de decisões desastrosas com caráter midiático e eleitoreiro por parte do Governo do Estado de São Paulo entre disputas infantis com o desgoverno federal. Atitudes que contribuíram com o expressivo número óbitos no país, o mais alarmante no Estado de São Paulo.

Os números de trabalhadores nas redes de atenção à saúde pública e das unidades da rede privada, afastados de suas funções por “supostamente” estarem contaminados com o COVID-19, passaram à se multiplicar vertiginosamente dia após dia. Sucessivamente os indicadores de óbitos destas fundamentais e essenciais mão de obra para com a salvaguarda da Vida no SUS.

Na última quinta-feira, em Reunião Plenária do COREN SP foi conjeiturada a realização do Ato desta Páscoa. Momento onde as famílias deveriam se reunir e comemorar a vida, e para a grande maioria dos brasileiros, comemorar a ressurreição de Jesus Cristo. Para outros, apenas uma oportunidade orientada pelo capitalismo de se consumir chocolate a preços abusivos.

Conclusão: BASTA!

Domingo de Páscoa, 12 de abril de 2020. O Vão livre do Museu de Arte de São Paulo – MASP foi ocupado por ativistas de movimentos sociais de saúde, trabalhadores da Prefeitura de São Paulo, Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e alguns Policiais Militares em um propósito comum: o de render homenagem aos heróis que travaram árduas batalhas no front contra o “inimigo invisível” (COVID-19) e que infelizmente vieram a falecer neste confronto.

Vítimas que tinham belas histórias de vida, trabalho e amor ao próximo, contadas ou para contar; que tiveram suas vidas ceifadas precocemente diante de um vírus desconhecido e ainda agravadas pelas mazelas por partes dos governantes que invadem o espaço da Academia de Ciências e Saúde para fazer disto um palco de arena eleitoreira. Sem mínimas condições necessárias de acolhimento aos pacientes, e sem condições de trabalho e proteção aos trabalhadores e trabalhadoras essenciais.

Num silêncio ensurdecedor, este marco inicial foi inaugurado com o intuito de orar por pessoas que não tiveram a oportunidade de ter o velório digno e de dar um basta na falta de EPI’s; além cobrar qualidade dos equipamentos, pedir que as autoridades olhem pelos nossos profissionais da saúde que estão arduamente lutando para garantir assistência e a vida de todas e todos nós. Bem como também o devido apreço e cuidado com a força de trabalho dos agentes do serviço público, essenciais para o enfrentamento desta pandemia, que ultrapassam as linhas das unidades hospitalares e atuam na Polícia Militar do Estado de São Paulo, Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo, Guarda Civil Metropolitana (GCM’s) de todos os municípios deste Estado, Defesa Civil, entre tantos e tantos outros que não podem e não pararam de atuar na defesa da vida e da garantia da mesma.

Em depoimento emocionado, um Guarda Civil Municipal de São Paulo (GCM), enalteceu esta iniciativa e protestou informando que o egrégio

Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ter classificado de que os “GCM’s não teriam o direito aos EPI’s da NR 32”.

Esta ação tem o apoio do Sindicato dos Servidores Públicos de São Paulo – Sindsep; Movimento Ativista da Enfermagem – MAE; Conselho Federal de Enfermagem – COFEN; Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de São Paulo – SINTUNIFESP; Associação Brasileira de Odontologia – ABO; Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde do Estado de São Paulo – SINDICOMUNITÁRIO-SP; Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem e dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde São Paulo – SinSaúdeSP; Sindicato Único dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Osasco e Região – SUEESSOR; Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Campinas – STMC; Associação dos Servidores do Hospital das Clínicas – ASHC; Sindicato dos Psicólogos do Estado de São Paulo – SinPsi; Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo – SindSaúde-SP; Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo – SEESP; Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba – SSPMS; Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Privados de Saúde do Grande ABC – SindSaúde-ABC; Ordem dos Advogados do Brasil – OAB SP; Associação Nacional Dos Auxiliares E Técnicos de Enfermagem – ANATEM; Sindicato Único dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde de Sorocaba e Região – SINSAÚDE Sorocaba e Região; Sindicato dos Empregados em Estabelecimento e Serviços de Saúde de Bauru – Seessb; Associação Brasileira de Cuidadores – ABC; Sindicato dos Médicos de São Paulo – SIMESP e nosso da FACESP e de todo movimento comunitário do Estado de São Paulo, que tem na direção de nossa entidade, profissionais de saúde e conselheiros de saúde em todas as regiões no Estado de São Paulo.

Espalhando Amor por quem nos Protege!

#FiqueEmCasaPorNós #FaltadeEPImata #CombateCoronaVirus #ContraCovid19 #TrabalhadoresDaSaude

Alaor Vieira dos Santos (Analista de Sistemas)

Diretor de Saneamento e Meio Ambiente do Movimento Sociocomunitário do Estado de São Paulo,

Federação das Associações Comunitárias e Entidades do Estado de São Paulo – FACESP.

Conselheiro Estadual de Saúde de São Paulo,

Coordenador da Comissão de Políticas de Saúde e Acompanhamento dos Instrumentos de Planejamento do SUS

Membro no Comitê de Ética em Pesquisas em Seres Humanos (COEP),

Faculdade de Saúde Pública (FSP) / Universidade de São Paulo (USP).

Liga do Professorado Católico – LPC (100 anos)

Fontes externas e repercussão:

1 -) Ato contra falta de equipamento de proteção para profissionais de saúde tem cruzes com nomes de vítimas no Masp

Entidades fazem protesto ‘silencioso’ neste domingo (12), na Av. Paulista. Grupos alegam descaso do governo no fornecimento de insumos para proteção individual.

Por G1 SP — São Paulo em 12/04/2020 12h09  Atualizado há 23 horas: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/04/12/ato-contra-falta-de-equipamento-de-protecao-para-profissionais-de-saude-tem-cruzes-com-nomes-de-vitimas-no-masp.ghtml

2) Avenida Paulista tem ato contra falta de equipamento para profissionais

Grupos alegam descaso do governo no fornecimento de insumos para proteção individual

Por G1 | Portal Gazetaweb.com    12/04/2020 19h28: https://gazetaweb.globo.com/portal/noticia/2020/04/-avenida-paulista-tem-ato-contra-falta-de-equipamento-para-profissionais_102670.php

3) Cruzes com nomes de vítimas são expostas no Masp em protesto conta a falta de EPIs

Por Gil Campos -12 de abril de 2020

Jornal Guarulhos Hoje, em 13/04/2020: https://www.guarulhoshoje.com.br/2020/04/12/cruzes-com-nomes-de-vitimas-sao-expostas-no-masp-em-protesto-conta-a-falta-de-epis/

4) Ato contra falta de EPIs tem cruzes com nomes de vítimas no Masp

Entidades fazem protesto ‘silencioso’ neste domingo (12), na Av. Paulista. Grupos alegam descaso do governo no fornecimento de insumos para proteção individual

Compartilhe agora com seus amigos

Notícias Relacionadas

Campanha Abrace a Vacina

Campanha Abrace a Vacina

A FACESP – Federação das Associações Comunitárias do Estado de São Paulo apoia e participará “on line” do debate virtual que acontecerá hoje, e lança a Campanha &...

veja também em nosso site

Galeria de Fotos

Galeria de Fotos